Antes tarde do que nunca

Hua_Hin_Hills_Vineyard_elephant_ride

Há um ano, fiz um post intitulado “Que terroir é esse”, anunciando uma degustação de vinhos de regiões vinícolas bem pouco convencionais, como Dinamarca e China. Prometi voltar no dia seguinte com o resultado da degustação e só estou reaparecendo agora. Desculpem, foi mau! Foi um ano de muita luta para sobreviver e o blog, como a maioria dos blogs do mundo, só me dá prazer. Dinheiro algum.

Mas antes tarde do que nunca. Como promessa é dívida, cá estou para contar como foi nossa degustação. Aliás, nossas degustações, porque recentemente fizemos uma segunda edição da “Que terroir é esse”. Formamos uma confraria bastante informal, só de jornalistas de vinho. No primeiro encontro, estiveram presentes Beto Duarte, Breno Raigorodsky, Glaucia Balbachan, Mauríco Tagliari, Solange Souza e eu. Na segunda, juntou-se a nós o Johnny Mazzilli. Em ambas, bebemos vinhos dos lugares mais inusitados.

A primeira degustação foi feita às cegas. Ninguém sabia exatamente o que estava bebendo. Bebemos vinhos da China, da Dinamarca, da Turquia, de Malta, da Bolívia, de Minas Gerais e, para confundir, um italiano e um francês da Provence. A conclusão foi de que ali não tinha vinho ruim. O da Bolívia, o TRI Varietal 2012, da vinícola Campos de Solano, foi o que chamou mais atenção pela qualidade.

Na segunda edição, o grupo decidiu fazer a degustação aberta. Com o povo sabendo o que estava bebendo. Não achei que funcionou tão bem. Mas, como fui a última a chegar, com bastante atraso, isso foi decidido sem a minha opinião. Justo. Mas acho que não funciona tão bem, porque mesmo os especialistas tendem a esperar mais de vinhos de regiões menos estranhas. A gente acaba sempre influenciado pelo que já sabe do vinho antes de bebê-lo. Nessa, tomamos vinhos da Tailândia, da Turquia, de Nova York, do Canada, da Romênia, de São Paulo e do sul da França. Dessa vez, o que fez mais sucesso foi o da Romênia. Pela cor e pelos aromas, já que não conseguíamos ler nada, chegamos à conclusão de que ele era um vinho laranja, ou seja, um branco feito em contato com as cascas.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s